Tosse seca, obstrução na garganta e até dor no peito podem ser causadas por refluxo

Especialista do Hospital CEMA explica que muitos sintomas gerados pela doença podem ser confundidos com problemas respiratórios; saiba como diferenciar

Existem sintomas que podem não ser o que parecem. Como, por exemplo, a sensação de que há uma “bola” na garganta ou aquela tosse seca que não passa. Esses dois sinais não necessariamente estão relacionados a problemas respiratórios, mas sim a uma outra doença, que atinge entre 10% e 20% da população: o refluxo. “Esse distúrbio pode ter sintomas muito variados, como azia e queimação na boca do estômago, dor intensa na região torácica, que pode até ser confundida com angina ou infarto, e doenças pulmonares de repetição, como pneumonias, bronquites e asmas”, alerta o otorrinolaringologista do Hospital CEMA, Leandros Sotiropoulos.

A Doença do Refluxo Gastroesofágico, popularmente conhecida como refluxo, acontece quando há o retorno de conteúdo gástrico para o esôfago e adjacências. Isso ocorre graças a uma inabilidade do esfíncter esofágico em manter os alimentos no trato gastrointestinal, permitindo que eles “voltem” para o esôfago. Como o estômago tem suco gástrico, que é uma substância ácida, esse retorno alimentar é bem desagradável, gerando os sintomas já mencionados de queimação e azia. Pode acontecer com qualquer pessoa, mas em algumas o problema torna-se crônico, gerando a doença.

“Devido à proximidade do esôfago com a laringe, faringe e fossas nasais, o refluxo é capaz de gerar muitos sintomas otorrinolaringológicos. Toda a área atingida pode sofrer reações inflamatórias que, em muitos casos, desencadeiam esses sintomas”, diz o médico. Entre os sinais mais comuns, além da queimação e azia, estão a tosse seca, a rouquidão, alterações no ouvido e pigarro. Caso não seja tratado, o refluxo pode ainda piorar os quadros de rinites e rinossinusites, causando doenças pulmonares de repetição, como pneumonia, asma e bronquite.

Embora possa atingir qualquer pessoa, alguns fatores de risco podem favorecer o aparecimento do problema: 

- Obesidade – Os episódios de refluxo tendem a diminuir quando a pessoa emagrece;

- Refeições volumosas antes de deitar;

- Aumento da pressão intra-abdominal (esforços físicos no geral);

- Ingestão de alimentos e bebidas como café, chá preto, chá mate, chocolate, molho de tomate, comidas ácidas, bebidas alcoólicas e gasosas.

O tratamento para o refluxo vai depender do que o originou. Muitas vezes, apenas mudanças na alimentação e de hábitos já são suficientes. Mas, em alguns casos, pode ser necessário o uso de medicação e até mesmo cirurgia. O procedimento cirúrgico só é indicado nos casos graves.

Data de Publicação : 16/10/2018